CNN Brasil estreia tímida e com erro no digital

CNN Brasil estreia tímida e com erro no digital

Para um canal de notícias conhecido – e reconhecido – mundialmente, a CNN Brasil não causou tanto barulho na estreia como durante o último ano, quando anunciou a contratação de tantos nomes de peso, como por exemplo Evaristo Costa, William Waack, Monalisa Perrone e Reinaldo Gottino.

O canal de notícias 24 horas estreou ontem (15) às 18h no digital (site e plataformas) e às 20h na televisão, no canal 577 das principais operadoras, mas não animou a audiência, mesmo trazendo entrevistas exclusivas com políticos brasileiros.

O programa de estreia da CNN no Brasil, o “CNN no Ar”, trouxe algumas entrevistas exclusivas e de repercussão política, notícias de última hora e a cobertura no Brasil e no exterior, ao vivo, sobre a pandemia do coronavírus, com entradas ao vivo de diversos locais do Brasil e do mundo.

Da estreia mesmo, destaque para a reportagem especial na zona vermelha da Itália, a 600 quilômetros de Roma, mostrando as cidades-fantasmas isoladas pela nova doença.

Encabeçado por Douglas Tavolaro, ex-executivo da Record TV, com o apoio e investimentos de Rubens Menin, o dono da MRV Engenharia e Banco Inter, a CNN Brasil promete uma cobertura de 17h ao vivo com jornalismo independente e verdadeiro.

CNN Brasil começou mal no Youtube

Prometendo uma ampla cobertura não apenas na televisão mas também forte presença no digital, a CNN Brasil começou mal no Youtube. Primeiro, por que seu link oficial – youtube.com/cnnbrasil – leva a um canal criado em fevereiro de 2020 com pouco menos de 5 mil inscritos – um número fraco perto da grandeza da marca CNN e dos nomes de peso que possui.

Além de poucos inscritos, o canal da CNN Brasil no Youtube também é fraco porque foi publicado pouco conteúdo – um podcast da Monalisa Perrone, vídeos aleatórios sobre a programação e sobre as novidades e principalmente pouca – ou quase nenhuma – notícia.

Ao digitar CNN Brasil na busca do youtube, o usuário é levado a um canal criado em 2016 que já ultrapassou 100 mil inscritos, mas que não está ligado oficialmente ao canal, ou pelo menos, não é divulgado como o oficial do canal.

E pasmem, no momento que acessei para fazer essa matéria, o canal havia se inscrito em um canal de fofoca, o que nada tem a ver com a linha editorial do canal de notícias, mostrando, claramente, que não se trata do canal oficial da CNN Brasil.

Não estou aqui para defender o Youtube, pois não trabalho para o Google, mas a impressão que passa é que a diretoria de mídia digital da CNN (se é que existe esse cargo lá) deixou de lado o Youtube, dando a mínima importância para tal ferramenta, sendo que deveria ser ao contrário, já que um canal de televisão vive de imagens e consequentemente deveria, pelo menos, ser uma das principais plataformas da CNN Brasil na internet, a exemplo da CNN International, que possui mais de 8 milhões de inscritos.

O posicionamento no Youtube deveria ter sido pensado de maneira mais interessante. Nem no site oficial, na página Sobre, o Youtube é citado. Somente no rodapé do site é que existe o link para o CNNBrasil oficial (a conta verificada).

Em tempos em que a demanda por vídeos é muito grande e, principalmente, pelo fato da CNN poder acessar um público não assinante de TV paga, a diretoria deveria repensar em colocar “pequenos trechos” no canal oficial, gerando conteúdo massivo e que poderia gerar recursos com monetização e tudo mais…

Na verdade, quem já está ganhando é o canal “aparentemente falso” em cima de tanto trabalho do canal. E nem se deu ao trabalho de tirar o banner que anunciava a data de estreia, sendo que o canal já estreou.

Canal não oficial da CNN Brasil tem mais seguidores que o oficial (Reprodução)
Canal oficial com o selo de verificação do Youtube (Reprodução)
Canal oficial criado em 17/02/2020 e que soma pouco mais de 4 mil inscritos (Reprodução)
Canal falso que se inscreveu em outro canal – de Fofocas!

Estreia de Waack também foi sem graça

Aparentemente perdido, William Waack mal sabia para onde seguir. Sua experiência presa a formatos em que deveria seguir o roteiro e o teleprompter, acabou deixando o experiente jornalista meio atrapalhado na condução do seu primeiro Jornal da CNN.

O ex-apresentador do Jornal da Globo pediu desculpas por interromper o entrevistado “dizendo que estava correndo atrás das coisas”, ficou sem saber se o comentarista estava no link no Rio de Janeiro, foi e voltou nos temas que havia apresentado no início do jornal sem uma ordem claramente definida, teve que alertar o telespectador do que ele estava falando e se referindo após iniciar sua análise, enfim, uma mistura…

No geral, o ritmo do jornal foi morno, e certamente a equipe pegará o jeito da coisa, assim como William Waack. Ao vivo, sem roteiro, sem script, sem ter que ler o teleprompter o tempo todo, fica mais natural, mas os erros ficam mais evidentes.

Redação Tutube

Acompanhe.